EDP alinhada com os objetivos da COP25

A Conferência das Partes deste ano (COP25) arranca com o objetivo de preparar 2020 e uma década de mudança. Pretende reforçar a ambição para limitar o aumento da temperatura global em 1,5°C.

Na EDP, estamos alinhados com esta meta e vamos marcar presença na Conferência. 

O mundo inteiro está em processo de transformação, em busca de um desenvolvimento sustentável. O desafio é assegurar uma transição energética justa, capaz de desacelerar, ou mesmo travar, as alterações climáticas em curso, não deixando ninguém para trás. Este objetivo é muito ambicioso e só se consegue com forte empenho dos estados e governos locais, mas também com um envolvimento ativo da comunidade científica, do setor privado e dos próprios cidadãos, enquanto peças fundamentais da mudança.

É neste âmbito que o Chile preside à próxima Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP25), onde se espera que as 197 Partes que compõem o tratado (196 países e União Europeia) consigam continuar a implementar os acordos desenvolvidos em Convenções anteriores e possam estabelecer novas obrigações específicas no combate às alterações climáticas. As grandes prioridades da presidência chilena para esta COP são: aumentar fortemente a ambição (com equilíbrio entre mitigação e adaptação); definir as metas para os mecanismos de mercado global de carbono e endereçar a evolução da COP, com foco na implementação.

A reunião acontece de 2 a 13 de dezembro, em Madrid, após o Chile se ver impossibilitado de assegurar a organização do evento devido a fortes protestos que se vivem no país. Este evento, que reunirá mais de 25000 participantes, contará com vários momentos de discussão formais, bem como com diversos eventos paralelos onde se discutirão os principais temas contribuintes para a descarbonização, como o papel e aceleração das energias renováveis, a mobilidade elétrica, a economia circular, a transição justa, as finanças sustentáveis, entre outros.

No Grupo EDP estamos alinhados com os objetivos da COP25

O desenvolvimento sustentável é parte integrante na nossa estratégia, com objetivos de sustentabilidade claros e exigentes.

Permanecemos, desde 2008, no Dow Jones Sustainability Index (DJSI) como uma das empresas mais sustentáveis do mundo, assumindo o compromisso de contribuir ativamente para que os esforços de ação climática sejam atingidos:

  • 90% da geração de eletricidade da EDP até 2030 deverá seja feita a partir de fontes renováveis
  • 90% de redução das emissões de CO2 específicas da empresa face a 2005, até 2030
  • 2050 = atingir neutralidade carbónica

Recentemente estabelecemos também o objetivo de, juntamente com outras 135 grandes empresas, alinhar com a trajetória necessária para limitar o aquecimento global a 1,5°C através de um conjunto de ações ambiciosas. Este compromisso foi formalizado durante a Cimeira de Ação Climática da ONU, que decorreu em Nova Iorque em setembro.

A EDP na COP25

(em atualização)

Nos vários dias em que decorre o evento, a EDP vai ter uma forte presença, contando com uma forte participação de elementos de diferentes empresas do Grupo.

Conheça as conferências em que a EDP vai participar:

Fechar Todas
svg
High Level Roundtable on Climate Action & SDG7, 10 de dezembro, António Mexia
svg svg

Evento “High Level Roundtable on Climate Action & SDG7” organizado por Marrakech Partnership for Global Climate Action na Zona Azul, com a intervenção de Antonio Mexia, presidente da EDP. António Mexia afirmou ser necessária a transição energética justa, sem deixar ninguém para trás. A boa notícia é que a energia renovável é a fonte mais barata de energia. A má notícia é que a estrada não é suficientemente ambiciosa. É essencial uma política energética de longo prazo que aumente o financiamento público e reinvista a renda obtida com o preço do carbono nos setores que podem ser prejudicados nessa transição.

antonio_mexia_10dez_1_edp_cop25.jpg
Electro-movilidad y Cambio Climático, 10 de dezembro, Javier Sáenz de Jubera
svg svg

Evento “Electro-movilidad y Cambio Climático”, organizado pela AELEC e ANFAC (empregador de fabricantes de automóveis), e com a participação de Javier Sáenz de Jubera, EDP Espanha.

Contando com a participação dos principais fabricantes de automóveis e das empresas de eletricidade, destacou-se a urgência de implementar planos coordenados de crescimento da frota de veículos elétricos para atender aos objetivos estabelecidos. Esses planos devem incidir em três pilares fundamentais, nomeadamente garantir que o preço do veículo elétrico é igual ao preço do veículo térmico, que a sua autonomia aumenta e que aumenta também a melhoria da infraestrutura de carregamento. A administração também solicitou, não apenas incentivos fiscais em veículos elétricos, mas também a redução do IVA e maior coordenação e facilidade entre as administrações para a implantação da infraestrutura.

javier_saenz_rubera_edp_cop25
Transforming the energy system for a climate neutral economy - Wind Float Atlantic, 10 de dezembro, José Miguel Pinheiro
svg svg

Evento “Transforming the energy system for a climate neutral economy - Wind Float Atlantic” organizado por EU Energy Day na Zona Azul, com a intervenção de José Miguel Pinheiro, diretor do Projeto Wind Float Atlantic (InnovFin EDP). O projeto Atlântico EDP Wind float Atlantic, que foi financiado pelo programa NER300 da União Europeia, é a primeira plataforma flutuante da União Europeia de Geração Eólica Offshore. Este projeto inovador passou com sucesso na fase piloto e agora deve estar operacional em 2020.

Por outro lado, o evento também sublinhou a importância da tecnologia do hidrogénio como uma forma alternativa possível de armazenar energia e mobilidade ou como substituto do carvão em processos industriais, o que facilitaria o cumprimento dos objetivos de descarbonização em 2050.

jose_pinheiro_edp_cop25.jpg
Hydropower Extending Power System Flexibility, 10 de dezembro, Sara Goulartt
svg svg

Evento “Hydropower Extending Power System Flexibility” organizado pela International Hydropower Association, na Zona Azul, com Sara Goulartt, diretora Adjunta, Departamento de Clima e Meio Ambiente da EDP, como palestrante. No evento, destacou-se que o setor elétrico tem um papel fundamental na transição energética, para alcançar um sistema mais eficiente e flexível.

O aumento de energia proveniente de tecnologias renováveis ​​influencia drasticamente o fornecimento de energia da rede, a sua operação e segurança e, para acomodar essas tecnologias, é necessário ter um sistema flexível de produção elétrica. Deste modo, a Comissão Europeia e um consórcio de vários parceiros, incluindo a EDP Produção, apresentaram uma iniciativa, dentro do programa de pesquisa Horizonte 2020, para demonstrar como a tecnologia baseada na geração hidráulica inteligente pode contribuir para o desenvolvimento de um sistema elétrico seguro, resiliente e de baixo carbono.

sara_goulartt_edp_cop25_1.jpg
Transport Action Event e Transport Decarbonisation Alliance, 7 de dezembro, Rui Teixeira
svg svg

Durante o fim-de-semana, Rui Teixeira participou em duas sessões da COP25, nomeadamente “Transport Action Event” e “Transport Decarbonisation Alliance”. Aqui, foi reforçado o compromisso da EDP de limitar o aquecimento global no máximo de 1.5 graus centígrados. Paralelamente, foi assumido o papel de liderar a transição energética, com o objetivo de chegar a 2030 com 90% da produção por fontes renováveis. Outro foco de ação da empresa é o trabalho intenso em diversas frentes para contribuir para a descarbonização do setor energético, como o dos transportes. 

O debate ficou marcado pelos seguintes temas: 

  1. O objetivo do setor dos transportes em ser neutro em carbono em 2050;
  2. A alteração do comportamento de quem viaja;
  3. O alcance de 1M de clientes com soluções 3-mobility até 2022, duplicação dos pontos de carregamento público, inúmeras soluções B2B e B2C e parcerias com plataformas de shared-mobility. 
rui_teixeira_edp_cop25
Plataformas Tecnológicas de Energía, 6 de dezembro, Yolanda Fernández
svg svg

O evento “Plataformas tecnológicas – Promoviendo la adopción de tecnologías energéticas renovables”, organizado pelo Comité de Plataformas Tecnológicas de Energia do Ministério da Ciência, Inovação e Universidades, contou com a presença dos presidentes das plataformas de armazenamento (EDP), biomassa, fotovoltaica, solar térmica, eólica, nuclear de fissão e de hidrogénio. 

As plataformas tecnológicas ressalvaram o seu papel de apoio aos agentes espanhóis (empresas, centros tecnológicos e universidades) para que encontrem oportunidades para o desenvolvimento de tecnologias que ainda não estão totalmente maduras o ainda não estão no mercado para satisfazer as necessidades do seu nicho.

Todos coincidem na necessidade de armazenamento para o desenvolvimento e a rentabilidade das diferentes tecnologias. 

yolanda_fernandez_6dez_2_edp_cop25.jpg
Innovación Social para el cumplimiento del ODS7, 5 de dezembro, Yolanda Fernández
svg svg

No evento “Inversión sostenible, la inversión del futuro”, organizado pelo Banco Santander, estiveram em abordagem as atividades das empresas participantes (NH Hoteles, Grupo Calvo, EDP e Santander Ativos), na luta contra as alterações climáticas.

A EDP destacou o seu compromisso com a adesão ao Acordo “Business Ambition for 1,5ºC” e a orientação do plano estratégico, ao longo dos pilares de descarbonização da energia e de eletrificação da procura. Foi discutido o plano de construção de renováveis da EDP, da geração de mobilidade e da adaptação necessária para fazer frente aos efeitos das alterações climáticas. Comentou-se, ainda, o financiamento verde e a pertinência dos índices de sustentabilidade para conseguir financiamento em melhores condições. 

yolanda_fernandez_6dez_1_edp_cop25
La innovación como herramienta para combatir el cambio climático, 4 de dezembro, Luís Santos
svg svg

No dia 4 de dezembro na COP25, a EDP organizou o evento Inovação como ferramenta para combater as alterações climáticas, na Zona Verde. 

Luís Santos, da EDP Inovação, explicou como, com o desenvolvimento de energias renováveis, é necessário armazenar energia outrora produzida para casar a oferta e a procura. Hoje ainda esta tecnologia ainda não está disponível, mas não é possível esperar. Aprender fazendo ou utilizando permite propor soluções muito ágeis e disruptivas. Um modelo de inovação circular ou ciclo de conhecimento, em que as startups são especialistas, que desenvolvem soluções tecnológicas para aquilo que se procura. A EDP acredita nesta metodologia e é por isso que lançou o programa EDP Starter. Algumas das startups envolvidas no projeto participaram, até, na conferência.

DotGIS. Startup que desenvolveu um mapa solar de toda a Espanha, de onde se calcula a energia que se pode produzir e a compara com o consumo. Desta forma, é possível inferir a rentabilidade de um projeto numa questão de minutos.

DEXMA. Com as informações armazenadas em medidores inteligentes e por inteligência artificial, está a ser desenvolvido um algoritmo que permite identificar ineficiências no consumo, sem a necessidade de instalar hardware adicional.

Flexidao. Soluções para a rastreabilidade de certificados de energia renovável através da tecnologia Blockchain, úteis em contratos de compra de energia (PPAs), mobilidade elétrica, entre outros. Edp, El Corte Inglés e Flexidao chegaram a um acordo para certificar a fonte de energia renovável do consumo de dois centros comerciais localizados em Málaga e Sevilha.

Koala. A energia eólica para ser rentável precisa de turbinas eólicas com lâminas cada vez maiores, o que traz consigo enormes dificuldades de montagem a ponto de tornar um projeto inviável. Esta startup propõe uma solução disruptiva com base em como um coala trepa.

luis_santos_edp_cop25
Carbon Pricing and the Power Sector, 3 de dezembro, Ana Quelhas
svg svg

Nesta terça-feira, dia 3 de dezembro, na COP25, a EDP participou no evento Preços do carbono e do setor de energia - Oportunidades para acelerar a descarbonização, realizado na Zona Azul.

Ana Quelhas, diretora de Planeamento Energético da EDP, destacou a importância de garantir o bom funcionamento do comércio de direitos de emissão ou outros mecanismos que incorporam um sinal de preço de CO2 em bens e serviços, para que se produza uma redução efetiva das emissões de CO2. 

Ressalvou ainda que é necessário "envolver todos os setores económicos, de tal forma que as receitas arrecadadas sejam distribuídas entre os setores económicos que podem ser penalizados, com o consequente risco de deslocalização ou fuga de carbono, e que tenham também em conta as pessoas para conseguir uma transição ordenada e justa."

ana_quelhas_edp_cop25.jpg
  • La electrificación, clave para el cambio climático, 7 de dezembro, Yolanda Fernández
  • La energía eólica, 7 de dezembro, Rafael Munilla
  • Low Carbon Power Generation & Distribution, 9 de dezembro, Madalena Callé Lucas
  • Niños y educación para el cambio climático, taller para escolares, 9 de dezembro, Beatriz Alvarez
  • Carbon Pricing and Competitiveness, 9 de dezembro, Madalena Callé Lucas
  • Flexibility for the Energy Transition, 10 de dezembro, António Mexia
  • High Level Business Climate Action Event, 11 de dezembro, António Mexia
  • Escaparate de soluciones innovadoras para la descarbonización, 12 de dezembro, Luís Santos
  • Tiempo de actuar en la Empresa, 12 de dezembro, JC Marinas
  • Investigamos para reducir nuestra huella en el planeta ¿nos ayudas?, 13 de dezembro, Luís Santos

Pode conhecer a agenda oficial da COP 25.