histórias

Nem a sombra das oliveiras tornava suportável o calor que se fazia sentir naquela tarde no Alandroal, Alentejo. O termómetro devia marcar 40ºC naquele olival com um cheiro intenso a azeitonas, enquanto se avistava uma casa rural com uma dezena de jovens em ação, entre baldes de cimento, trinchas, escopros e martelos. Num grupo heterogéneo, com tantos homens como mulheres, em comum tinham apenas a boa disposição e a t-shirt com o logotipo da causa que vestem: Just a Change, “uma associação sem fins lucrativos que reconstrói casas de pessoas carenciadas”, começou por explicar o porta-voz do grupo, Simão Oom, o diretor de operações deste projeto. 

A casa é do sr. Fascelino - diz que é o único com este nome em Portugal -, um homem que já ultrapassou os 60 anos e ali vive sozinho, sem família, e longe de grandes ou pequenos convívios. Da entrada, onde estavam a reconstruir-lhe a casa de banho, um longo corredor ia dar a outros três quartos. Uma boa casa, com boas áreas, mas sem condições ou qualquer conforto. “Mas agora vai ficar muito melhor, já está a ficar”, atirava o morador.

Um projeto para chegar a todo o país

Este ano, a EDP reforçou a parceria com esta Associação, nomeadamente através de investimento em serviços e equipamentos eficientes, e passou a ativar voluntários não só em Lisboa, mas também no Porto e noutras regiões do país. Para Simão Oom, muito mais do que “o dinheiro, é todo o valor que a EDP traz para o terreno e, sobretudo, para os beneficiários que ficam com uma casa muito mais confortável e eficiente”. Hoje, já colaboram neste projeto mais de 500 voluntários da EDP, que têm participado nas obras de reabilitação. “A EDP está muito envolvida nos projetos da Just a Change, sobretudo no que diz respeito à eficiência energética. O isolamento térmico que o projeto vai adquirindo para as casas é comparticipado pela EDP Comercial”, assegura Carla Barros, da equipa do Programa de Voluntariado EDP.

Para além da comparticipação na aquisição destes materiais, a EDP Comercial também contribui com o acompanhamento e monitorização da implementação de medidas de eficiência energética, sobretudo através da identificação de melhorias via realização de pré-certificações energéticas, antes e depois da obra, de forma a registar a evolução e melhoria nas habitações. Outro apoio disponível no âmbito do envolvimento da EDP Comercial é a doação de equipamentos eficientes, como o solar autoconsumo e equipamentos para aquecimento de água e eletrodomésticos. A EDP Comercial também financia a aquisição de janelas eficientes, fundamentais para o aumento do conforto térmico e melhoria da eficiência energética da casa.  

Apesar de tudo isto, a maior das obras aqui feita é social. Estas são pessoas que precisam de mais do que só uma casa, precisam de ser envolvidas, para que a reconstrução de vida aconteça em paralelo com a reconstrução da casa. Que o diga o Sr. Fascelino ou a Sra. Maria Amélia. 

.

De uns trocos até à reconstrução de vidas

Foi em 2010 que nasceu o projeto Just a Change, quase por brincadeira. Começou com dois amigos que iam cantar para a Baixa de Lisboa para angariarem uns trocos na altura - Just a Change - e que depressa começaram a gastar esse mesmo dinheiro com os sem-abrigo da zona, que eram muitos. Primeiro, levaram-nos a jantar, “a comer umas bifanas e um caldo verde”, até que se gerou um clique: “se nós temos tanta facilidade em recolher aqui algum dinheiro que pode fazer a diferença na vida destas pessoas, por que não trazer mais amigos e começar a fazer isto de forma mais regular?”, conta Simão Oom. E assim foi. Só que como já havia muitas associações de sobra no combate à pobreza alimentar, estes dois amigos - aos quais se juntaram outros voluntários - pensaram em ajudar de outra forma. “Na altura, surgiu uma pessoa a precisar de umas pequenas obras em casa e nós, cheios de boa vontade, mas com muito pouca experiência, lá fomos com umas trinchas e uma lata de tinta e começámos a pintar a casa. E vimos que era aqui que podíamos intervir, no combate à pobreza habitacional”, explica Simão Oom. 

O que começou assim como Just a Change - de uns trocos - passou rapidamente a Just a Change, marca registada de uma associação que faz a mudança e a diferença na vida das pessoas, com obras nas casas das pessoas mais carenciadas, que muitas vezes nem telhado ou casa de banho têm - as principais tarefas em obra. 

"A EDP junta-se à Just a Change, para uma resposta integrada com voluntários que participam nos turnos de reabilitação de casas e com o que nos distingue, a nossa energia."

Carla Barros, gestora do voluntariado corporativo na EDP

Carla Barros

Um parceiro com muita energia… 

Dez anos se passaram e o projeto foi sempre crescendo, ao ritmo de novos pedidos das Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia de todo o país, que sinalizam as casas que precisam de uma intervenção urgente da Just a Change. “Acreditamos que, ao fazer estas obras, estamos a dar uma segunda vida a estas pessoas que encontramos, que vivem em situações muito precárias e sem dignidade”, diz Simão Oom. E os números hoje falam por si: mais de 1.000 voluntários por ano, com 12 pessoas a trabalharem a tempo inteiro no Just a Change e com mais de 230 casas reconstruídas, portanto mais de 230 vidas reabilitadas. Os números são motivo de orgulho para a associação e não seriam possíveis sem a parceria da EDP, que colabora com o projeto desde 2018 através do Programa de Voluntariado, e desde 2019 com a parceria da EDP Comercial, e já envolveu cerca de 500 voluntários que doaram mais de 3.000 horas distribuídas por 49 projetos. Graças à energia voluntária da EDP, 40 casas e 10 ONG foram reabilitadas, transformando a vida a 706 beneficiários. “Mais do que intervir apenas nas casas, este projeto procura levar esperança a famílias carenciadas através de uma habitação digna. A EDP junta-se ao Just a Change, para uma resposta integrada com voluntários que participam nos turnos de reabilitação de casas e com o que nos distingue, a nossa energia – nomeadamente através de: instalação de painéis solares, de equipamentos de aquecimento de água (por exemplo: esquentadores ou termoacumuladores inteligentes) e outros equipamentos eficientes”, afirma Carla Barros.  

Além disso, a empresa realiza ainda serviços pro-bono, como pré-certificações energéticas e monitorização da eficiência energética das casas intervencionadas. Desde o começo desta parceria a EDP já emitiu 46 pré-certificados, doou 19 equipamentos e instalou um painel solar. 

Este é apenas um dos projetos de voluntariado da EDP no eixo Inclusão Energética da estratégia de investimento social do Grupo. Outro dos projetos neste eixo, e que também tem beneficiado da parceria com o Just a Change, é a Bolsa de Eletricistas e Verificadores de Eficiência Energética. Esta Bolsa de Voluntários, que existe desde 2013 e é gerida em parceria com a E-Redes, apoia ONGs através de duas áreas de intervenção: Bolsa de Eletricistas - execução de serviços qualificados de reparações elétricas - e Bolsa de Verificadores de Eficiência Energética - avaliação e apresentação de propostas de medidas de eficiência energética. Desde o início, este projeto contou a participação de 125 voluntários, que contribuíram com mais de 2.000 horas para combaterem a pobreza energética e tornarem mais eficientes cerca de 37 organizações sociais, impactando a vida a mais de 36.000 beneficiários. 

Um mundo de iniciativas


A parceria da Just a Change é apenas uma das que mobiliza a EDP. O programa de voluntariado dinamiza inúmeras outras iniciativas, em parceria com as áreas de negócio da empresa, com o objetivo de apoiar organizações do terceiro setor no desenvolvimento de projetos de acesso à energia renovável, de conforto térmico, de poupança e segurança energética. Ainda no âmbito da solidariedade, o programa EDP Solidária, da Fundação EDP, na área de Inclusão Social, cuja última edição decorreu em 2018, disponibilizou uma dotação de um milhão de euros, para apoiar iniciativas relacionadas com o conforto térmico e a minimização de situações de precariedade energética. 

Com o mesmo objetivo, o Fundo A2E, já na sua terceira edição, é um programa de financiamento que conta com meio milhão de euros para iniciativas na educação, saúde, agricultura, negócios e comunidade, contrariando assim o impacto da pobreza energética nos países visados - Moçambique, Nigéria, Maláui, Angola e Ruanda. 

E nas outras geografias da EDP?

Em Espanha, os vizinhos não partilham apenas alimentos, também partilham energia. Desde bairros solares a apoios a ONGs, a EDP em Espanha também assume o seu papel em prol da eficiência energética.

E do outro lado do Oceano Atlântico? 

Para a EDP Brasil, eficiência energética é também sinónimo de Chamada Pública.