edp news

Free Electrons: já foram lançados 28 projetos-piloto por startups e utilities

Segunda-Feira 09, Julho 2018

A EDP esteve em São Francisco para participar no segundo módulo do programa, no qual foi escolhido o último grupo de projetos-piloto

O Free Electrons, o primeiro programa global de aceleração de energia que liga as startups mais promissoras do mundo com as principais utilities, concluiu o seu segundo módulo com um total impressionante de 28 projetos-piloto. O terceiro e último módulo vai ainda decorrer em Berlim.  




O programa deu início à sua edição de 2018 com um bootcamp de sucesso em Lisboa, seguido de um primeiro módulo em Sydney / Melbourne, onde os projetos-piloto iniciais foram preparados pelas utilities de energia e pelas startups.


O módulo 2 decorreu em Silicon Valley, o centro tecnológico global, e focou-se no crescimento e na aprendizagem. Neste segundo módulo, as sessões em que as empresas de energia e as startups mostraram os seu projetos atuais foram fundamentais para maximizar o desempenho. O módulo também foi uma oportunidade para desenvolver novos relacionamentos e oportunidades.


No módulo 1, foi recomendado apenas um projeto por startup, para garantir o foco. No módulo 2, as aprendizagens foram partilhadas e as oportunidades para fazer projetos-piloto foram alargadas.




O Free Electrons permite que as empresas globais de energia cooperem umas com as outras nos seus projetos-piloto, o que é único e eficaz para as startups, sendo que só necessitam de passar uma vez por uma curva de aprendizagem com uma concessionária, permitindo-lhes dimensionarem-se de forma mais rápida. Até aqui, as startups podiam ter apenas um projeto-piloto, mas a partir de agora terão a oportunidade de trabalhar com várias utilities.


“Dar o nome de Free Electrons (eletrões livres) a este programa diz muito sobre a perspetiva partilhada pelas utilities e a visão que possuem em relação à evolução da indústria energética dos mercados por todo o mundo. A eletricidade como comodidade tenderá a perder valor ao longo do tempo, por isso precisamos de desenvolver novos modelos de negócios e novos serviços, de modo a agregar valor para os nossos acionistas. Estes serviços vão certamente andar em torno da gestão digital e de dados,” refere Luís Manuel, membro da Comissão Executiva da EDP Inovação.




Podem dar-se como exemplos a Verv, que criou um assistente energético para habitações, e a ESB, que já concluiu com sucesso um projeto-piloto com o SterBlue, e está agora a preparar as próximas etapas para aplicar a sua solução à monitorização de parques eólicos. Um outro exemplo é a SOLShare, uma plataforma blockchain que está a fazer projetos-piloto com a Innogy e Tepco para uma plataforma de donativos (aplicação Web), onde um doador pode escolher utilizadores individuais ou um grupo pré-definido de utilizadores (como uma aldeia) para doar energia.




“Queríamos uma solução segura, rápida e precisa para inspecionar as nossas turbinas eólicas, de modo a minimizar os custos de manutenção e tempo de inatividade do gerador. A SterBlue foi bastante prestável em todos os nossos requisitos. Por vezes, consideramos que pode ser mais fácil trabalhar com startups do que empresas maiores, visto que são mais flexíveis, entusiastas e ouvem atentamente as necessidades dos seus clientes ”, diz John McKiernan, Chefe da Colaboração Externa na ESB.


“Este programa liga-nos a novas empresas que, de outra forma, nunca encontraríamos. É um tremendo catalisador para acelerar a mudança e a inovação na ESB," acrescenta John McKiernan. 


Módulo 2 (San Francisco)

Os dois primeiros dias do módulo foram dedicados em parte à partilha de aprendizagens dos primeiros 15 projetos-piloto em andamento. Este processo é fundamental para a estrutura do programa e permite que startups e empresas construam reciprocamente as suas experiências.  


O terceiro dia representou um dos pontos altos do módulo com o evento Level-Up Energy Innovation, que apresentou os participantes do Free Electron ao ecossistema de Silicon Valley. As 15 startups no programa tiveram a oportunidade de apresentar as suas soluções de vanguarda a uma audiência composta por investidores e especialistas em tecnologia. O módulo foi concluído com o anúncio dos novos projetos-piloto que foram definidos ao longo da semana e com uma visão geral do roteiro para o módulo final em Berlim.


Os membros do Free Electrons são: American Electric Power (EUA), AusNet Services (Austrália), CLP (Hong Kong), DEWA (Dubai), EDP (Portugal), ESB (Irlanda), Innogy (Alemanha), Origin Energy (Austrália), SP Group (Singapura) e Tokyo Electric Power Company (Japão). O programa é assessorado pela Beta-i (Portugal).




No total, o programa recebeu 515 candidaturas, de 65 países diferentes, um testemunho do alcance global da iniciativa. Depois de um processo de seleção que culminou no bootcamp (que aconteceu em abril, em Lisboa, Portugal), 15 startups qualificaram-se para a fase de aceleração. A etapa final, que encerra o programa, terá lugar em Berlim (Alemanha), em outubro.



Estrutura


Três módulos internacionais realizados em todo o mundo são os pilares do Free Electrons. Durante o programa, os participantes vão trabalhar em estreita colaboração com os agentes locais, empresas, mentores e outros recursos, a fim de acelerar o crescimento de suas empresas. 


As utilities que apoiam o Free Electrons lideram a inovação no sector de energia. Este projeto personifica o seu compromisso em trabalhar com startups na construção do futuro do sector com energia limpa, inteligente e amplamente acessível. 

 


Sobre o Free Electrons

O Programa Free Electrons é a melhor oportunidade para as startups do sector da energia crescerem e desenvolverem os seus negócios. O mercado energético viu mudanças rápidas nos últimos anos com o aumento das energias renováveis, descentralização do sistema energético, incertezas regulatórias e novas tecnologias disruptivas. Para ficar na liderança, existe uma grande necessidade das utilities fazerem mais inovações externamente e considerarem modelos de negócios "além dos serviços".