EDP investe em startup que leva eletricidade a zonas isoladas do Bangladesh

notícias edp

EDP investe em startup que leva eletricidade a zonas isoladas do Bangladesh

Quinta 27, Setembro 2018

Investimento de 500 mil dólares na SOLshare vai permitir à empresa melhorar a vida de milhões de pessoas que não têm acesso à rede de distribuição de energia elétrica.

A EDP Ventures, através de um dos seus veículos de investimento criado pelo grupo EDP para apoiar e investir em startups inovadoras e especializadas no setor energético, acaba de investir 500 mil dólares (cerca de 430 mil euros) na SOLshare, uma empresa que opera no Bangladesh que desenvolveu uma nova solução que facilita a criação e gestão de micro-redes elétricas, para levar energia solar a casas sem acesso à rede elétrica de uma forma acessível e sustentável.

Esta startup desenvolveu e comercializa uma solução que é instalada em casas com sistemas de geração distribuída, como painéis solares, e que permite a transação de créditos de energia entre várias habitações. Desta forma, é possível passar de um cenário em que os cidadãos apenas têm energia proveniente do seu pequeno painel solar para a criação de micro-redes onde são efetuadas transações peer-to-peer entre habitações e pequenos negócios.

Esta solução, apelidada de Solbox, permite também que se criem novos negócios, através da redistribuição de energia de habitações com excesso de energia, por não terem consumos durante o dia, para outras casas ou estabelecimentos comerciais que podem beneficiar desta energia quando ela não é necessária ao seu produtor.

As soluções desenvolvidas pela SOLshare vão ser instalada em mais de 5.000 casas do Bangladesh até ao final de 2018, o que vai permitir levar energia até às famílias de uma forma mais eficiente. A equipa da SOLshare está em permanência no Bangladesh, onde existem mais de 5 milhões de pequenos sistemas solares em residências e mais de 50 milhões de pessoas que ainda não têm acesso à rede elétrica.

“Estamos muito satisfeitos por ajudarmos a alavancar o trabalho notável desta startup, que atua na intersecção de duas áreas muito importantes para o grupo EDP, o acesso universal a energia sustentável e a eficiente utilização da geração solar residencial. A EDP Ventures realizou este investimento tendo em conta a qualidade da equipa de gestão e a contribuição que a sua tecnologia e modelo de negócio peer-to-peer podem ter para a universalização de soluções de micro-geração”, destaca Luís Manuel, administrador da EDP Inovação.

“Acreditamos que as redes inteligentes peer-to-peer que estamos a construir no Bangladesh podem ser o futuro para as utilities a nível global. Os 5 milhões de sistemas solares domésticos que aqui estamos a começar a interligar são apenas o início. Estamos extremamente orgulhosos que a EDP e outros parceiros tenham decidido juntar-se a nós nesta emocionante jornada”, afirma o CEO da SOLshare, Sebastian Groh.

A SOLsolshare é um dos finalistas da edição deste ano do Free Electrons, o maior acelerador de empresas no setor da energia do mundo, do qual a EDP é membro fundador. Foi neste programa que a empresa captou a atenção da EDP Ventures, quer pela qualidade da equipa, quer pelos resultados positivos das instalações efetuadas até à data. A EDP investiu 500 mil dólares numa ronda alargada de 1,7 milhões de dólares de investimento.

A SOLshare foi recentemente aceite no programa Technical Pioneers do Fórum Económico Mundial, uma comunidade formada por empresas com elevado potencial de criar impacto positivo na economia e na sociedade.

A EDP Ventures foi criada em 2008 para atuar como instrumento de capital de risco do grupo EDP e já investiu mais de 27 milhões de euros, contando atualmente com 19 startup portuguesas e estrangeiras no seu portfolio. Estas empresas geram atualmente cerca de 40 milhões de euros em receitas por ano e já criaram mais de 500 postos de trabalho.

O investimento agora realizado nesta startup está totalmente alinhado com a estratégia definida pela EDP na área do acesso universal à energia sustentável. Num mundo em que cerca de mil milhões de pessoas continuam sem acesso à energia, o grupo tem-se envolvido ativamente no debate e criação de soluções concretas para dar resposta a um dos maiores desafios da atualidade, em que a descarbonização será um importante fio condutor.