EDP apoia seis projetos de acesso à energia sustentável em África

notícias edp

Fundo A2E

EDP apoia seis projetos de acesso à energia sustentável em África

Terça-feira 26, Março 2019
Sustentabilidade

Novo fundo lançado pelo grupo vai impulsionar projetos na área da educação, saúde ou comunidade, no Quénia, Tanzânia, Moçambique e Malauí, com impacto na vida de 55 mil pessoas.

A EDP vai apoiar seis projetos sustentáveis e de energia limpa na África Oriental, através do fundo A2E (Access to Energy). Nesta primeira fase, vão ser aplicados cerca de 450 mil euros para promover o acesso à energia em áreas rurais remotas, sem ligação à rede elétrica, com o objetivo de atenuar a pobreza energética nos países em desenvolvimento. Estas iniciativas vão impactar 55 mil pessoas, das quais dez mil de forma direta.

No total, 108 entidades de todo o mundo candidataram-se à primeira edição do fundo, destinada a projetos em Moçambique, Quénia, Tanzânia e Malauí. As instituições escolhidas, de acordo com critérios como impacto social, parcerias, sustentabilidade, potencial de expansão e número de beneficiários, atuam nas áreas da educação, saúde, água e agricultura, empresas e comunidade, e receberam apoios de 25 mil a 100 mil euros, com o compromisso de implementarem seus projetos até ao início do próximo ano.

No Quénia, foram selecionadas a Co-operative Bank Foundation e a SAVIC Africa. Em Moçambique, o apoio foi atribuído à Girl MOVE, e ao UN-Habitat. No Malauí, foi escolhida a Fundación Energía Sin Fronteras e, na Tanzânia, a Iniciativa de Investimentos e Desenvolvimento Sustentáveis.

“Esta iniciativa reforça uma vez mais o empenho do grupo EDP em contribuir para uma sociedade mais sustentável, dando prioridade à mitigação da exclusão elétrica em que ainda vivem mais de mil milhões de pessoas em todo o mundo. O acesso à energia tem potencial para desempenhar um papel revolucionário nos países emergentes, sendo um instrumento essencial para uma sociedade que cria mais oportunidades e mais justa”, afirma António Mexia, presidente da EDP.

Além do apoio às atividades de responsabilidade social através deste fundo, que tem uma dotação global de um milhão de euros e previsão de lançamento da segunda edição até ao final deste ano, a estratégia de A2E do grupo EDP prevê ainda o investimento de 12 milhões de euros nos próximos três anos em empresas com soluções sustentáveis para o acesso universal à energia. Esta aposta foi já materializada em 2018, com o primeiro investimento no setor: a aquisição de uma participação na SolarWorks!, empresa com operação em Moçambique dedicada à comercialização de soluções descentralizadas de energia solar.

Informação sobre os projetos apoiados

A Co-operative Bank Foundation vai instalar em 12 escolas do Quénia estufas solares com potência de até 100 kWp junto a sistemas de irrigação para garantir que haverá oferta adequada de alimentos ao longo do ano. Além do acesso à energia a seis mil pessoas, os cultivos serão usados para suprir as necessidades nutricionais dos alunos, enquanto o excedente será vendido nos mercados locais, aprimorando as habilidades de agronegócio dos estudantes.

O projeto OKAPI Green Energy da SAVIC Africa vai construir uma mini-rede fotovoltaica de 12 kWp no Campo de Refugiados de Kakuma, Quénia, com tecnologia de medição inteligente para fornecer energia elétrica a 150 habitações e 50 clientes comerciais, totalizando 800 beneficiários diretos e 18.000 indiretos. Pretende-se alcançar uma melhoria do acesso à saúde, educação, geração de rendimento e capacitação empresarial.

O programa "Energia para um Futuro Melhor", da Girl MOVE Academy, vai criar uma central de energia solar de 30 kWp para o ECOCampus e para o centro de TI da instituição em Moçambique, com o objetivo de aumentar o número de horas de formação e contribuir para o desenvolvimento de uma nova geração de mulheres líderes.

O UN-Habitat vai construir sistemas de energia solar para abastecer 12 salas de aula em duas escolas afetadas por desastres naturais, em Moçambique. Além de promover o acesso à educação a 1300 pessoas, a iniciativa também abrange a instalação de sistemas de alerta para situações de emergência, acesso à internet e estações de carregamento de energia, que poderão gerar receitas para as escolas.

A Fundación Energía Sin Fronteras vai oferecer painéis fotovoltaicos de 25,9kWp para a eletrificação de cada um dos cinco edifícios do Centro de Reabilitação St. Mary, em Malauí, que será capaz de fornecer assistência médica 24 horas por dia e água potável a 130 órfãos portadores de HIV, bem como assistência ambulatorial e educacional para outras crianças e idosos da comunidade. O projeto impactará, no total, 2.800 pessoas.

A Investimentos Sustentáveis e Iniciativas de Desenvolvimento (SIDI, na sigla em inglês) - também permitirá o acesso à energia a 1500 pescadores e a estabelecimentos comerciais e públicos através de uma mini-rede fotovoltaica de 10 kWp, que vai permitir a geração, armazenamento e distribuição de energia para uma ilha remota na Tanzânia, visando reduzir a pobreza e aumentar em 50% as receitas anuais desta comunidade piscatória.

Saiba mais sobre os Projetos da edição 2018-2019 do Programa do Fundo de Acesso à Energia.