sustentabilidade

A construção dos empreendimentos hidroelétricos do Baixo Sabor e de Foz Tua e a parceria científica com o CIBIO, Centro de Investigação em Biodiversidade da Universidade do Porto, culminaram na criação do Sistema de Informação Biológica (SIB), concretamente o SIB Baixo Sabor e o SIB Foz Tua.

Esta plataforma reúne milhões de dados resultantes dos estudos, monitorizações regulares e avaliação do impacte ambiental associados a estas novas centrais. É assim um vasto conjunto de instrumentos de análise indispensáveis à abordagem de Gestão Adaptativa e de longo prazo promovida pela EDP com o objetivo de garantir que a mitigação de impactes se traduza em ganhos líquidos para a biodiversidade.

A informação recolhida ao longo dos anos traça o mapa biológico de toda a região do Tua e Sabor, permitindo responder a questões tão variadas como: quantas borboletas e outros invertebrados estão presentes no Vale do Tua? Como têm evoluído os morcegos junto da albufeira do Baixo Sabor? Qual o grau de ameaça ou de preservação de plantas e animais daqueles Habitats? Qual o impacto de uma nova infraestrutura, como é o caso das barragens do Tua e do Sabor, na evolução da biodiversidade da região?

A partir desta plataforma, a EDP iniciou um processo de partilha deste conhecimento com o mundo através da publicação na Global Biodiversity Information Facility (GBIF).  Em 2017, publicou os primeiros lotes de informação, sobre invertebrados do Tua e herpetofauna do Baixo Sabor. Em 2018, partilhou informação sobre Ictiofauna do Tua.

Assumindo-nos como uma das primeiras empresas privadas a contribuir com informação para esta base de dados mundial, na EDP abrimos assim uma nova frente no nosso empenho em promover o conhecimento científico para assegurar a sustentabilidade do Planeta.

No contexto do declínio mundial da biodiversidade, os dados de ocorrência e abundância de espécies são ferramentas essenciais para o planeamento, implementação e monitorização de estratégias de conservação e usos sustentáveis. Esta importância é reconhecida à escala global, em particular pela Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB), respetivo Plano Estratégico e metas acordadas em 2010 na cidade japonesa de Aichi, sob a égide das Nações Unidas. A publicação de dados no GBIF um dos indicadores para aferir o cumprimento de uma das metas definidas para 2020.

As duas iniciativas, de partilha de informação, demonstram o empenho da EDP na proteção da biodiversidade, um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) consagrados pela Agenda 2030 das Nações Unidas. A EDP comprometeu-se a contribuir para nove destes ODS, nos quais se inclui Proteger a Vida Terrestre (ODS 15).

O nosso contributo para o conhecimento

GBIF - Instalação Global de Informações sobre Biodiversidade