sustentabilidade

Há uma nova paisagem do mercado financeiro, materializada no desenvolvimento de uma estratégia de finanças sustentáveis, com foco no desenvolvimento de iniciativas de investimento sustentável e em novos instrumentos financeiros.

A evolução do investimento sustentável (SRI) é explicada por 4 motores, todos eles refletindo as questões mais importantes para a sociedade num dado momento. 

Os quatro fatores para um investimento sustentável são:

Segundo os PRI (Princípios para o Investimento Responsável), uma iniciativa da ONU lançada em Abril de 2006 para colocar os investidores a trabalharem juntos para cumprirem os seis princípios de investimento responsável, o investimento responsável é uma abordagem aos investimentos que visa incorporar os fatores ambientais, sociais e de governação (ESG) nas decisões de investimento, para melhor gerir os riscos e gerar retornos sustentáveis a longo prazo.

A ideia consiste em ter investidores com informação suficiente que lhes permita:

  • Implementar um programa de investimento sustentável, excluindo empresas envolvidas em questões controversas;
  • Apoiar as empresas mais sustentáveis, com foco na sua exposição aos aspetos ambientais, sociais e de governação (ESG), e/ou usar a propriedade para se envolver com essas empresas;
  • Reportar as suas atividades tornando-se signatários dos Princípios para o Investimento Responsável (PRI).

Alguns resultados

De acordo com o último relatório da EUROSIF (European Sustainable Investment Forum) (2018), os valores de investimento SRI são reveladores de que a estratégia de investimento que mais cresceu, entre 2015 e 2017, foi a da “integração ESG”: mais 1,6 biliões de euros para 4,2 biliões de euros em 2017 (+27,7% em termos médios anuais). 

A estratégia Best-in-Class, com 586 mil milhões de euros, foi a segunda abordagem de investimento SRI que apresentou maior crescimento entre 2015 e 2017 (+9,0% em termos médios anuais), evidenciando que é uma das abordagens em que os investidores se sentem mais à vontade. 

A estratégia Engagement and Voting apresentou um crescimento médio anual de +6,7% (em 2017, os investidores que utilizaram esta abordagem geraram 4,9 biliões de euros). 

O peso desta abordagem no total das 7 abordagens continua a crescer (passou de 18,7% em 2015 para 21,5% em 2017), enquanto o peso da estratégia de exclusão continua a decrescer (passou de 44,3% para 42%), evidenciando que os investidores estão a adotar estratégias mais ativas, atuando de um modo mais efetivo face aos aspetos ESG das empresas em que estão a investir.  

Os 6 Princípios para o Investimento Responsável:

1. Incorporaremos os temas ESG às análises de investimento e aos processos de tomada de decisão.

2. Seremos proativos e incorporaremos os temas ESG às nossas políticas e práticas de propriedade de ativos.

3. Buscaremos sempre fazer com que as entidades nas quais investimos divulguem suas ações relacionadas aos temas ESG.

4. Promoveremos a aceitação e implementação dos Princípios dentro do setor do investimento.

5. Trabalharemos unidos para ampliar a eficácia na implementação dos Princípios.

6. Cada um de nós divulgará relatórios sobre atividades e o progresso da implementação dos Princípios.

As 7 estratégias de investimento da Evolução do Investimento Sustentável (SRI)

Na Europa, e de acordo com a EUROSIF (a principal organização europeia responsável pela promoção do investimento sustentável e responsável), o investimento SRI apoia-se em 7 estratégias de investimento SRI: Best-in-class; temas de sustentabilidade; screening baseado em normas; integração (de fatores) ESG; exclusões; investimento de impacto; engagement and voting.

  • Screening negativo: a exclusão de uma empresa num determinado fundo ou índice SRI é baseada num ou vários critérios específicos ESG.
     
  • Screening baseado em normas: a inclusão depende da análise das empresas e outras entidades emissoras, de acordo com a sua conformidade com as normas e convenções internacionais; 
     
  • Screening best-in-class: a inclusão de uma empresa é baseada no desempenho face ao melhor dentro de um universo;
     
  • Integração ESG: a inclusão sistemática e explícita por gestores de ativos de fatores ESG na análise financeira;
     
  • Envolvimento corporativo: refere-se à posição dos investidores sobre questões de ESG, exigindo que as empresas em que investem melhorem as suas práticas;
     
  • Investimento sustentável por tema: a inclusão está relacionada com temas ou ativos ligados ao desenvolvimento da sustentabilidade;
     
  • Impacto do investimento: investimentos específicos, realizados normalmente em mercados privados, com vista à resolução de problemas sociais ou ambientais.

Desempenho de Sustentabilidade

O crescimento do investimento SRI está muito associado à criação de produtos sustentáveis, em particular à evolução dos índices de sustentabilidade. Estes são uma medida do desempenho ESG das práticas das empresas com base nas diversas metodologias criadas pelos fornecedores de informação (“raters de sustentabilidade”). 

O investimento responsável promove também o desenvolvimento das obrigações verdes. O principal objetivo é ter fluxos de capital que apoiem o desenvolvimento de uma economia mais ecológica, de baixo carbono e resiliente ao clima. Veja mais detalhes aqui.